terça-feira, dezembro 19, 2006

Em busca da sabedoria de Jesus

Fala queridos eacistas, como o EAC é muito chique, aqui vai um POST direto de RIO DE JANEIRO. Esperando o avião no aeroporto, li uma matéria muito legal na revista VIDA SIMPLES. Ai vai uma parte da matéria e quem quiser ler na integra pode ir no site http://vidasimples.abril.com.br/edicoes/048/01.shtmlMil beijos no coraçao de cada um !!!


DAVI CARNEIRO
Em busca da sabedoria de Jesus

Os principais ensinamentos do homem que viveu na Palestina no século 1 que podem ser úteis para iluminar o cotidiano de todos nóspor Rodrigo Cavalcante“Você não teme a Jesus?”É provável que você tenha ouvido essa pergunta alguma vez na vida. Sejamos francos: ela não é propriamente uma pergunta. Caso existisse uma tecla SAP para ouvirmos a versão original, ela soaria mais como uma afi rmação ameaçadora: “Se você não tiver medo do poder de Jesus, será condenado”.Poder. Medo. Condenação. Do Vaticano ao pastor no programa de televisão, há tantas pessoas falando em nome de Jesus – e com tamanha veemência e autoridade – que é praticamente impossível tentar ter contato mais próximo com seus ensinamentos sem se sentir intimidado. Talvez seja por isso que milhares de cristãos em todo o mundo estejam buscando refúgio espiritual em outras tradições religiosas, principalmente o budismo. Em alguns casos, isso acontece até como um meio de se reconciliar com o próprio cristianismo.“Foi meditando em um centro budista que passei a compreender melhor os ensinamentos de Jesus”, afirma o economista paraibano Humberto Barbosa, de 32 anos, que cresceu cercado pelo catolicismo tanto em casa quanto na escola. Ele diz que enquanto se sente confortável em refl etir e questionar os ensinamentos religiosos de outras tradições, como o budismo, o mesmo não acontecia diante dos textos cristãos. “Acho que a disputa e a saturação de mensagens em nome de Jesus torna difícil meditar pacifi camente sobre seus ensinamentos”, diz Humberto.E é difícil não concordar com ele. De letreiros luminosos de novas igrejas a livros que transformam Jesus no maior líder empresarial (e no maior pedagogo, no maior psicólogo etc.), ele é visto muitas vezes como uma espécie de consultor para se obter sucesso no trabalho ou realizações financeiras e sentimentais a curto prazo. Mas o que será que esse Jesus superstar de nossos tempos tem de fato a ver com os ensinamentos do judeu que nasceu há mais de 2 mil anos na Palestina do século I?“Essa figura de Jesus como consultordo nosso sucesso pessoal tem pouca conexão com a essência da tradição cristã”, diz o filósofo Luiz Felipe Pondé, professor da PUC-SP, da Faap e da Casa do Saber e autor de, entre outros títulos, Crítica e Profecia – Filosofia da Religião em Dostoiévski. “As mensagens cristãs têm uma profunda reflexão sobre o destino do homem que é bem mais rica do que essa imagem superficial”, diz o filósofo. Mas onde estariam esses ensinamentos?Como Jesus não deixou nenhuma obra escrita, tudo o que sabemos sobre sua figura – e seus ensinamentos – depende do relato dos evangelhos. Até aí, tudo bem, não fosse um pequeno detalhe: os quatro textos que a Igreja chama de canônicos (Mateus, Marcos, Lucas e João) não são os únicos existentes sobre a vida de Jesus. Por volta do século 3, por exemplo, já existiam dezenas de outros evangelhos que, mais tarde, fi cariam de fora da seleção da Igreja – e seriam chamados de apócrifos. O Evangelho de Tomé, por exemplo, tem uma estrutura bem diferente da dos evangelhos tradicionais. Encontrado em 1945 na cidade de Nag Hammadi, no Egito, ele traz apenas um conjunto de dizeres atribuídos a Jesus sem nenhuma narração ou menção à ressurreição. “A existência desses relatos é apenas mais uma evidência de que, desde os primórdios, o cristianismo sempre conviveu com uma diversidade de interpretações”, diz o professor André Chevitarese, da Universidade Federal do Rio de Janeiro.Em meio a tantas narrativas sobre Jesus, será que é possível de fato chegar a algum consenso sobre sua mensagem que fosse válido até mesmo para alguém que não seja cristão?Apesar das diferenças de interpretações cristãs, a maioria dos pesquisadores concorda que é possível, sim, chegar a pelo menos alguns consensos sobre quem foi Jesus e qual teria sido a base de sua mensagem. Como você verá nas próximas linhas, o retrato de Jesus que brota daí é bem diferente das imagens grandiloqüentes a que estamos acostumados – e traz uma mensagem aceita até mesmo por pensadores não-cristãos, que reconhecem seu legado na história
Link: http://vidasimples.abril.com.br/edicoes/048/01.shtml

3 comentários:

Anónimo disse...

Acho que Davi estava era preso no aeroporto por causa dos atrasos dos vôos e fica aí tirando onda. hahahahahah
Falando sério agora, mt legal o texto!!!
Bjos

Cadi disse...

po vlw david por fazer esse post!
ficamos devendo uma específica sobre o natal né?

FELIZ NATAL A TODOS!

Lídia disse...

turminha!
que bom voltar a ativa!
saudades de todos vcs!!!
bjocas